segunda-feira, 16 de junho de 2008

Resenhas do dia - filmes em cartaz

Em primeiro, hoje passou o trailler do Arquivo X II. Dá para ficar morrendo de expectativa... e medo. Vamos ver no que vai dar. Em segundo...

Fim dos Tempos (filme - 2008)

Poucos são os diretores que me fazem querer ver um filme só por conta do seu nome. George Romero, Stanley Kubrick, talvez mais um ou outro... e M. Night Shyamalan. O cara me arrebatou (assim como a meio mundo) com "O Sexto Sentido", seguiu firme com "Corpo Fechado" e ganhou o jogo de vez com "Sinais". Depois vieram "A Vila" que, embora bom, não foi aquilo tudo, e "A Dama da Água", capaz de agradar só aqueles que adoram uma boa história fantástica mesmo (onde me encaixo - mas confesso que não estava prestando muita atenção no filme quando vi...). E agora, esse "Fim dos Tempos" (título cortesia dos nossos admiráveis tradutores nacionais para o original 'The Happening" - algo como "O Acontecimento").

O estilo do diretor está intacto. Um filme relativamente "parado", alguns momentos de ação mais desenfreada, nada mais. A tensão predomina sobre o esporro. As tomadas de câmera não usuais ou estáticas também estão ali, e também o típico e abominável uso da câmera lenta nas partes emotivas.

O filme começa com tudo, tensão lá em cima. Depois dá uma acalmada e demora um pouco para retornar ao rumo. A história é bem imaginativa, mas é muito fácil sacar tudo logo de início (pelo menos eu saquei, e não foi difícil). E possui frases e idéias capazes de criar caretas em qualquer biólogo / cientista (e não estou falando da parte "ficção científica", essa é primorosa). Os personagens são estranhos (a "mocinha" é muuito estranha), fazem e falam coisas estranhas, tudo para deixar o espectador o menos confortável o possível com os seus supostos "heróis" ou "vilões". Essa é uma característica dos filmes de Shyamalan que curto muito.

O "durante" do filme é legal. Porém, o final é muito ruim. Tem quem não gostou do final de "Sinais" porque "o monstro aparecia". Eu achei excelente: já era cliché não se mostrar NADA no final. Mas o final deste "Fim dos Tempos" é muito cliché (não, nada a ver com o caso do "Sinais", pode deixar). O diretor teve tudo na mão para criar um final ótimo, e em vez disso fez o filme acabar insosso (se você ainda não viu o filme, não leia "o final que deveria ser", após a nota).

Então, esse é o novo filme. Não é o melhor da carreira do cara. Talvez seja o pior. O que não quer dizer que seja ruim. Como eu falei, o "durante" é excelente. Mas perde alguns pontos por causa do final.

NOTA: 7,0.

(pare de olhar!)

O FINAL QUE DEVERIA SER: seria tão fácil acabar o filme na hora em que o "mocinho" sai da casa para encontrar a "mocinha" no meio da ventania, os dois andarem até um ao outro, toda aquela emoção... e então simplesmente pararem, como todas as pessoas afetadas. Pronto, fecha a cena, créditos. Em vez disso, temos um final feliz e, o cúmulo dos cúmulos dos clichés, aquela cena final que diz "hohoho, ainda não acabou!"...

Um comentário:

tpduwe disse...

eu e o günther acabamos de ver essa m....tá loco, até Dama na Água foi melhor. um dos finais mais podres que já ví nos últimos tempos.

7,0 é piedade!!

Tenho dito!

Duwe.