segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Haja mp3...

A melhor coisa de sair para viajar é ter o "dever" de destruir tudo o que sobra na geladeira. Acabei de destruir um macarrão (como não usei o tempero, não defino como "miojo") nadando em um molho te tomate que incluiu 5 fatias de queijo e 5 de presunto... *burp*

Amanhã estou indo para Belo Horizonte cumprir os deveres do mestrado. Dessa vez não tem concurso em cima da data (maldições, uma questão, uuumaaa questãããooo!!!!), então vou de busão mesmo, já que até agora estou pagando a passagem de avião da outra vez. Faz um tempinho que não faço uma viagem longa de ônibus. Desde que voltei de BH em 1 de dezembro passado, na verdade.

Pretendo voltar no final da próxima semana. Se eu voltar sexta, o esquema é ir direto para Blumenau e encarar uma Oktober praticamente virado no sábado. Mas vamos ver ainda, o bom de voltar de busão é não ter tanto compromisso com a volta.

Um dos compromissos lá é o seminário de andamento das teses e dissertações. Curiosos para saber como anda meu trabalho? Não, é claro. Mesmo assim fica aí o resumo entregue para o seminário, para vocês darem uma espiada. Se parecer pretensioso demais... Bem, é! Mas conforme eu for vendo que não tenho tanta base teórica como deveria em alguns pontos, vou baixando a bola...


CONSERVAR POR QUÊ? - DISCUTINDO AS MOTIVAÇÕES E OBJETIVOS DA IDEOLOGIA AMBIENTALISTA

A conservação ambiental é tema de crescente interesse nas últimas décadas, com a ascensão do ambientalismo moderno como força político-social. Entretanto, uma atenção menor tem sido dada aos argumentos pelos quais a ideologia ambientalista é embasada. Neste trabalho, analisamos o discurso ambientalista e seus argumentos mais usuais, testando sua coerência e validade de um ponto de vista concreto e objetivo. Os setores sociais diferem em seus argumentos, com o ambientalismo político sendo marcadamente antropocêntrico e utilitarista, enquanto o ambientalismo social organizado possui tendências biocêntricas e ecocêntricas. Em ambos os casos, os "porquês" do ambientalismo são vagamente formulados e pouco desenvolvidos. Na discussão acadêmica, predominam artigos sociológicos, com inexpressiva contribuição das ciências naturais, sendo reduzida a discussão sobre bases filosóficas. Há uma clara necessidade de se explorar com mais profundidade o assunto. Os argumentos ambientalistas podem ser, do ponto de vista da relação homem-natureza, divididos em internos e externos à espécie humana. Os argumentos internos apresentam uma coerência e objetividade maior que os externos, que necessitam de uma grande dose de subjetividade para sua aceitação. A subjetividade é considerada prejudicial para embasar o ambientalismo de larga escala. Portanto os argumentos internos, além de serem os mais coerentes, são os mais eficientes para um ambientalismo global. Uma proposta de argumentação objetiva é apresentada no trabalho, em que a conservação ambiental é importante apenas para a sobrevivência humana, porém levando em conta a complexidade das interações entre elementos bióticos e abióticos do planeta.

Um comentário:

fabioricardo disse...

cara, o tema é mto massa. essa coisa de buscar o "porquê" das coisas, misturando ecologia com filosofia. boa sorte na empreitada, e uma baita paciência na viagem, hehe.
se quiser me trazer um queijo Canastra do Araxá lá do mercado público, eu pago =D